Archive for the ‘música’ Category

Como ultimamente tenho me alternado entre Old Ideas, de Leonard Cohen, e Morrison Hotel, do Doors (não sei muito bem por quê), esta magnífica crônica de Mariana Ianelli, publicada em 2011, veio hoje a calhar quando tropecei nela na web.

Quem é Leonard Cohen

Mariana Ianelli
30/04/2011 – Vida Breve

Leonard Cohen era ainda um menino quando foi seduzido por essa mulher de sensualidade litúrgica, pestanas orvalhadas e perfume de vinhas floridas. Devia ter oito ou nove anos quando isso aconteceu, quando a poesia desabou sobre ele dentro de uma sinagoga em Montreal. Desde muito cedo pensou que podia ser escritor, mas nunca esteve absolutamente seguro disso. Foi assim que se mudou para a torre da Música,
duvidando sempre. Foi assim que se viu atado a uma mesa, fadado a esperar por anos a fio até encontrar a palavra certa, o verso perfeito, porque essa era a sua religião. Poeta, monge, cantor, amante são títulos que dizem pouco sobre Leonard Cohen. Melhor dizer que ele já abdicou de muitas coisas, que elegeu um país solitário e içou uma bandeira branca, que discutiu com a Eternidade e uma vez se deitou com uma mulher de ancas infantis em um quarto em Los Angeles. Que adormeceu a meio de um salmo, jejuou em segredo e foi um dos filhos da neve, esse mesmo filho que depois dos cinquenta teve saudades da mãe e desejou levá-la para a Índia e vê-la maravilhar-se com a cinza do Mar Arábico.

Leonard Cohen é esse homem pouco nostálgico, que não pode ser confortado nem guarda remorsos, o que teve o coração desfeito e ficou acordado a noite inteira pensando em alguma forma de beleza. É esse homem que afundou feito uma rocha, que raspou a cabeça, envergou uma túnica e agiu generosamente mesmo remoendo de ódio por dentro. É esse admirador das belas mulheres de Bombaim, o que espera que haja música no Paraíso, o pequeno judeu com sua Bíblia, que escreve sobre as sombras do Holocausto e sobre uma nuvem em forma de cogumelo, aquele que ama Joana d’Arc como uma de suas últimas mulheres.

Leonard Cohen é o estrangeiro que navega numa barca de asas mutiladas, o que compõe um longo poema chamado Isaías, o apaixonado que, mesmo tendo esquecido metade da sua vida, ainda se lembra das coxas de uma mulher escapando das suas mãos como cardumes de peixes assustadiços. É esse homem que uma vez sentiu o seu corpo tão cheio de ternura que se dispôs a perdoar a toda gente. Esse poeta que escreveu durante anos poemas em uma mesa entre ervas daninhas e margaridas no fundo de uma casa em uma ilha do mar Egeu. Esse amante da lua que já tentou remover com seus óleos o feitiço do rival sobre a memória da namorada.

Leonard Cohen canta para o vento porque o vento é amigo do seu espírito de pluma. Ele sabe que os insetos são como os místicos por mal distinguirem entre vida e morte. Sabe que as possibilidades estão aí para serem derrotadas. Sabe também que o seu tempo está se esgotando e que nunca entenderá completamente esse vale de lágrimas. Não espera vitória nem honrarias. Conhece muito pouco do seu próprio nome. Um dia reuniu suas partes todas em torno de uma súplica, desejou morrer na cruz por um amigo, hesitou entre abandonar um amor e acompanhar os peregrinos, deixou sua túnica pendurada no gancho de uma velha cabana de um mosteiro e levou uma mulher até a beira do rio para amá-la, como qualquer outro homem teria feito.

Leonard Cohen está sentado debaixo de uma janela onde a luz é intensa. Está muito perto das coisas que perdeu e sabe que não terá de perdê-las novamente. É esse homem que melhor se sente quanto menos sabe quem é. Esse que agora sobe ao palco para cantar, no auge dos seus setenta e seis anos, com seu chapéu de feltro e seu terno impecável, provando que ainda existe neste mundo uma nota de elegância. Que ainda existe alguém que sente e pensa com elegância. Isso ele nos diz sem palavras, com um sorriso de doçura, apenas.

“He will speak these words of wisdom
Like a sage, a man of vision
Though he knows he’s really nothing
But the brief elaboration of a tube”

Read Full Post »

Nina

Na esteira da revisão do novo livro, em que ela está:

 

Read Full Post »

Blue Note

Não para de tocar aqui o app do Blue Note para o Spotify. Hoje estava escutando (junto com meu personagem) o jazz fusion/hip hop do US3 (abaixo, “Cantaloop”). Também recomendo entusiasticamente o novo álbum de Ravi Coltrane, Spirit Fiction,e o Black Radio de Robert Glasper.

As próximas semanas aqui serão uma alegria só: tem show de John Abercrombie, Esperanza Spalding e Ron Carter.

Read Full Post »

Varúð

Em sua página no Youtube, a banda islandesa Sigur Rós, que adoro incondicionalmente, colocou uma série de filmes de baixo orçamento realizados por cineastas, a convite deles. Os filmes foram inspirados nas canções do novo álbum, Valtari, ao estilo “o que passar na sua cabeça” (o “Mystery Film Experiment”)

O resultado é de uma beleza tão profunda que era impossível não compartilhar. Aqui, “Varúð” por Ryan McGinley.

Read Full Post »

Meu novo romance, Hanói, vem sendo talvez o mais difícil de escrever e ao mesmo tempo o que mais prazer tem me dado. O prazer vem, basicamente, do convívio com um personagem trompetista, que tem me levado por viagens musicais incríveis. Graças a ele, Hanói tem uma primeira playlist já pronta, e uma segunda em construção.

Não por acaso, depois de duas décadas um violão volta a fazer parte da minha vida. Comprei um Takamine, e se ainda não dá para tocar “Mood for a Day,” do Steve Howe, que tocava na adolescência, venho desenferrujando com algumas coisas mais simples. E com uma alegria imensa. Temos agora um trio dentro de casa: violão, piano e baixo acústico. Resta só o Gabriel achar que não é creepy tocar com a mãe dele.

 

Read Full Post »

Jarmusch, Waits

Read Full Post »

Once

Sabe aqueles livros ou filmes ou músicas (ou o que for) que deixam a gente com uma inveja boa, com aquele “eu queria ter escrito/dirigido/composto isso” – ou um reles “eu queria ter participado disso, ainda que como revisor ou contra-regra”?

Foi essa a sensação depois de ver, com cinco anos de atraso, o filme irlandês Once, musical (e eu detesto musicais!) escrito e dirigido por John Carney. Feito com um baixíssimo orçamento, com Glen Hansard (da banda de rock irlandesa The Frames) e Markéta Irglová, que compuseram as músicas do filme – e ganharam um Oscar pelos esforços. Once levou também prêmios como o Independent Spirit Award de melhor filme estrangeiro.

Um pouquinho aqui.

Read Full Post »

Older Posts »